Infertilidade masculina

Autor: Ligia Fernanda Previato Araujo

Data: 11/11/2009

Um dia desses, me peguei com os olhos vidrados (era assim que minha avó dizia quando eu ficava parada olhando para alguma coisa admirada, sem piscar) na porta do quarto da minha filha. Eu via uma cena, meu marido com nossos dois filhos brincando de lojinha (minha filha acabara de ganhar de sua madrinha uma máquina registradora de brinquedo). Nessa “lojinha”, tudo era vendido: pulseirinhas, carrinhos, chuchinhas, “hominhos”. E, como pagamento, nada de dinheiro, eram só abraços, mimos e beijinhos...



Eu via todo o paparico dado ao pai e esse pai todo “abobalhado”, derretido e com um sorriso que quase não cabia em seu rosto. Nesse momento, aquela cena se traduziu em um sentimento mágico, que me tomou e fez com que um filme passasse pela minha cabeça. Nossa, como é bom ter um pai. Melhor ainda é ser pai!



Eu sempre quis muito ter filhos e eu e meu marido fomos abençoados com duas crianças que tornaram nossa vida, sem dúvida, mais colorida. Não é a toa que eu e meu marido amamos o que fazemos, pois temos o privilégio de ajudar casais a terem filhos.



Por isso me preocupo tanto com as questões relacionadas à fertilidade. Na rotina de exames do CRH Rio Preto podemos observar o quanto os maus hábitos de vida prejudicam a fertilidade humana. Na literatura científica não faltam trabalhos que confirmem nossas observações. Dentre os fatores de destaque estão os ambientais e emocionais.



Estudos mostram ainda que a qualidade e a quantidade dos gametas masculinos (espermatozóides) são diretamente afetados com o consumo abusivo de álcool, cigarro, uso de anabolizantes, drogas como cocaína e maconha, poluição ambiental e estresse.



Em nossa clínica passa um número estatisticamente representativo de casais que querem engravidar e observamos que o homem e a mulher estão, na maioria das vezes, verdadeiramente unidos na luta para ter um filho. O desejo de constituir uma família, em absoluto, é exclusividade da mulher. Os homens desejam e muito ter filhos.



Quando é dado ao casal, após vários exames investigativos, um diagnóstico de infertilidade masculina, a mulher sem dúvida entristece, porém o mundo do homem parece desmoronar e ele fica estarrecido. É um momento em que fica aquela ideia errônea de que, para ser viril, tem que ser fértil. Portanto, ser infértil é ser impotente. Isso não passa de uma grande confusão. Virilidade nada tem a ver com fertilidade (capacidade do espermatozóide de fertilizar o óvulo).



Por isso, é de extrema importância que esse casal, principalmente o homem, possa contar com o apoio emocional de profissionais especializados, oferecidos em uma clínica de reprodução assistida, esclarecendo assim todas as dúvidas dos futuros pais.



Se o homem não for acolhido e orientado, provavelmente não saberá lidar com o que considera uma imperfeição, uma fraqueza, e certamente vai sofrer sozinho e calado, dificultando e até adiando a chegada do bebê. Sem ter com quem compartilhar – e, muitas vezes, não consegue fazê-lo nem com a própria companheira –, a questão poderá se tornar mais humilhante e constrangedora e, assim, ele entrará numa caminhada sofrida e solitária. As técnicas de Reprodução Humana Assistida estão em constante avanço e hoje contamos com uma alta tecnologia para solucionar os problemas de quem quer ser pai.



Com a realização da ICSI (técnica que permite a fertilização do óvulo com apenas um espermatozóide) em nossa clínica desde 1997, e agora com a ICSI amplificada, assim batizada pelo CRH Rio Preto desde 2008, a maior parte dos problemas de infertilidade masculina foi solucionada. Homens que passaram por cirurgia de vasectomia, tratamentos com radio e quimioterapia, doenças adquiridas como a caxumba, entre outras, que os tornaram azoospérmicos (sem espermatozóides), puderam, através da ciência, contornar esses problemas e realizaram o sonho de ter filhos, o que a 18 anos atrás seria impossível.

A infertilidade é uma experiência que só quem conhece ou a conheceu pode compreender o quanto é dolorida. Portanto, a prevenção é o caminho mais seguro e feliz a ser seguido. Para isso é necessário que se cuide bem da mente e do corpo, tendo uma alimentação adequada, evitando o consumido abusivo de álcool, cigarro e outras drogas.

A fertilidade é uma semente que deve ser regada com carinho e cuidados, assim a árvore crescerá forte e a chegada dos frutos será apenas uma questão de tempo.

CRH Rio Preto
Rua XV de Novembro, 4461 - Redentora
São José do Rio Preto - São Paulo

CEP.: 15.015-110 

Central de Atendimento
    (17) 3216.8662 | (17) 9 9601.2765