Atividade elétrica dos espermatozóides

Autor: Ligia Previato Araújo
Data: 3/16/2010

Na relação sexual, após a ejaculação, milhões de espermatozóides são liberados no canal vaginal. Numa corrida frenética, essas pequenas células medindo 45 micras percorrem 25 longos centímetros a uma velocidade de 2 milímetros por minuto até chegarem ao seu grande destino - O óvulo! Porém, durante esse trajeto muitos ficam presos às armadilhas e intercorrências do caminho, como acidez vaginal e muco, sendo assim fadados a morte.



 

No entanto, aproximadamente 200 desses "bravos guerreiros" chegarão a Ampola do oócito, mas apenas um, o grande campeão, alcançará de fato seu tesouro - o citoplasma dessa célula. Mas o que faz um espermatozóide ser o campeão? Sua super morfologia (forma), sua super mobilidade (movimento) ou sua super progressão (o quão rápido e a direção em que ele se move)?



Estudos e a prática laboratorial de um Centro de Reprodução Humana mostram que para ser "O CARA" o espermatozóide campeão precisa ser tudo isso junto e, agora, mais uma coisa. Estudo realizado por pesquisadores da Universidade da Califórnia, publicado na edição de fevereiro da Revista Cell, revela que para chegar lá os espermatozóides também necessitam de um estímulo do oócito que será fertilizado.



 

A aproximação dos espermatozóides do oócito ativa estruturas localizadas na cauda desses gametas (espermatozóides) chamadas Hv1. A região próxima ao oócito possui uma baixa concentração de zinco e uma alta concentração de uma molécula chamada Anandamida. Essa combinação ativa as estruturas de Hv1 na cauda dos espermatozóides, fazendo com que canais de íons sejam abertos e, por meio desses canais, íons de hidrogênio sejam eliminados, tornando o PH intracelular dos gametas masculinos mais alcalinos.



Com o PH mais alcalino esses poucos espermatozóides que conseguiram chegar perto do oócito ganham um impulso extra, tornando-se mais velozes. Essa descoberta é sem dúvida mais uma aliada na luta contra infertilidade masculina, principalmente nos casos de astenozoospermia (baixa motilidade dos espermatozóides).



 

Portanto, aquele que além de ser "SUPER" nos quesitos acima citados conseguir atingir um PH ideal provavelmente irá contribuir para a formação de um lindo bebê, concretizando assim mais "rápido" o sonho de ser pai.

CRH Rio Preto
Rua XV de Novembro, 4461 - Redentora
São José do Rio Preto - São Paulo

CEP.: 15.015-110 

Central de Atendimento
    (17) 3216.8662 | (17) 9 9601.2765