Please reload

Notícias

Ainda gravidinha, a dentista Fabiany fala sobre como o sonho da maternidade também exige antes mesmo do filho nascer

Fabiany Ferraz Nery, de 44 anos, t...

Vontade de ser mãe superou dois abortos, tratamentos e hoje Fabi carrega Caio

14/05/2018

1/10
Please reload

Últimas Notícias

Reprodução Assistida aumenta chances de maternidade em mulheres com endometriose

Cerca de um terço das mulheres inférteis podem ter a doença, muitas vezes descoberta durante tentativas de engravidar

 

A endometriose é a proliferação anormal fora do seu local habitual de células semelhantes às que revestem a parede interna do útero. Com isso, focos se desenvolvem nos ovários, nas trompas ou até mesmo em regiões vizinhas, como intestino e bexiga, provocando reações inflamatórias que podem se manifestar como doença progressiva e induzir a ocorrência de dor pélvica crônica, cólicas menstruais, ciclo menstrual irregular e infertilidade, dentre outros sintomas.

 

 

O mecanismo da endometriose associado à infertilidade está relacionado aos distúrbios ovulatórios, à redução do número e/ou da eficiência da reserva de óvulos, à distorção da anatomia pélvica por reação inflamatória e à produção de toxinas locais que podem prejudicar a interação entre óvulo e espermatozóide, bem como interferências na implantação do embrião.

 

Todavia, técnicas de reprodução humana assistida (RHA) aumentam as chances de realizar o sonho da maternidade porque proporcionam expressivos ganhos no que concerne à correção desses distúrbios. Esse tipo de tratamento deve ser escolhido conforme a idade da paciente, o histórico familiar, o tempo de infertilidade, o grau da doença e as condições tubárias e dos espermatozoides.

 

Para o especialista em Ginecologia e Obstetrícia pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) e presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), caso o objetivo da paciente com endometriose seja engravidar, a reserva de óvulos e a ocorrência de outras causas que, por ventura, a impeçam de ter filhos de maneira natural serão decisivas.  

 

Ela ressalta que a reprodução assistida é muito indicada em casos de infertilidade por endometriose. “Devido aos múltiplos mecanismos envolvidos e nem sempre bem esclarecidos, a RHA é a técnica que atualmente preserva melhor os órgãos e permite melhores resultados. Na presença de dor ou outro processo que contraindique a solução, o tratamento cirúrgico seria outra opção”, afirma.

 

A DOENÇA – Embora seja uma doença benigna, ou seja, não cancerosa, a endometriose pode causar frequentes distúrbios de ovulação e desencadear outros sintomas que não devem ter sua importância minimizada, tais como depressão, problemas de relacionamento afetivo e dificuldades de ordem sexual. Boa parcela das mulheres só descobre que tem a doença quando encontra dificuldade para engravidar.

 

“A endometriose ainda é revestida de muitos enigmas, inclusive há congressos mundiais que focam no tema. Existem mulheres totalmente assintomáticas em que a endometriose só é detectada numa cesariana ou em um procedimento cirúrgico realizado para solucionar outro problema. Um dos fatores relacionados à doença diz respeito à imunidade, que pode sofrer interferências das variações de humor e da pressão psicológica”, adverte o especialista

 

Não há como estabelecer precisamente as causas da endometriose. Fatores hereditários, toxinas ambientais, sistema imunológico comprometido ou a ocorrência ininterrupta de menstruação irregular (mês após mês) também podem estar associados aos princípios da endometriose.

 

TRATAMENTO – A endometriose é uma condição crônica que regride progressivamente com a menopausa devido à queda na produção dos hormônios ovarianos. O tratamento visa a reduzir a dor, a inflamação e os desconfortos. Ele consiste em técnicas e procedimentos que envolvem desde o bloqueio hormonal até mesmo a intervenção cirúrgica. Mulheres mais jovens podem utilizar o anticoncepcional hormonal ou medicamentos análogos do GnRH que suspendam a menstruação e a produção do estrogênio.

 

Segundo Hitomi Nakagawa, cerca de um terço das mulheres inférteis podem ter endometriose. “Um dos grandes esforços que as sociedades médico-científicas têm feito é para que os diagnósticos sejam cada vez mais precoces, mesmo em adolescentes. Como a doença tende a evoluir a cada ciclo menstrual (com o aumento do estrogênio), uma das maneiras utilizadas para minimizar o processo é o bloqueio hormonal e a suspensão dos picos hormonais e da menstruação”, ressalta a presidente da SBRA.

 

É necessário que as mulheres façam consultas ginecológicas periodicamente e, sempre que houver a indicação médica, façam exames de imagem, visto que a endometriose pode ser uma doença de difícil diagnóstico por meio dos exames realizados durante a consulta de rotina. Ainda não há cura, mas é possível combater os transtornos que a doença causa, possibilitar a gravidez e, em muitos casos, até mesmo anular os sintomas. 

 

Por Suzana Tenório

Conversa Coletivo de Comunicação Criativa

Please reload

Please reload

Arquivo

CRH Rio Preto
Rua XV de Novembro, 4461 - Redentora
São José do Rio Preto - São Paulo

CEP.: 15.015-110 

Central de Atendimento
    (17) 3216.8662 | (17) 9 9601.2765